Odontologia Desportiva em ação




Engana-se quem pensa que a Odontologia Desportiva se restringe ao estudo e indicação de protetores bucais. Embora não seja ainda uma especialidade inscrita no CFO, este campo de estudos já começa a dar provas do seu potencial.

No ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, um grupo de dentistas desportivos estão desenvolvendo um trabalho multidisciplinar de ponta, garantindo o melhor rendimento de nomes como Eder Jofre, bi-campeão mundial de boxe, Zequinha Barbosa, campeão pan-americano de atletismo, e muitos outros.

A história da Odontologia Desportiva no Brasil começou há pouco mais de seis anos, com o interesse de dois dentistas em conciliar a Odontologia e a Educação Física: os CDs José Carlos Teixeira Winther, dentista e professor de Educação Física, e César Augusto Bertini Donadio, especializado em Cirurgia Buco-Maxilo-Facial, que se respaldava em sua experiência diária: no hospital em que trabalhava, os traumas desportivos correspondiam em número ao terceiro atendimento de traumas de face.

Outros dados, como o fato da respiração bucal diminuir em 22% o rendimento de um atleta e o entrave que representa para ele uma infecção bucal, apontavam para a importância da criação de uma área na Odontologia ligada à Educação Física. De posse desses conhecimentos e a partir da observação de vários esportes, principalmente as lutas marciais, surgiu a idéia de um primeiro curso sobre Odontologia Desportiva, realizado no ano passado em São Paulo.

Os bons resultados dessa primeira iniciativa chegaram até o CRO-SP. Seu presidente, o dr. Moacyr da Silva, sugeriu então a formação, dentro da entidade, de uma comissão de Odontologia Desportiva, cuja presidência ficou a cargo do dr. José Carlos Teixeira Winther. "Pouco tempo depois, recebemos o telefone de Éder Jofre, que queria conhecer o nosso trabalho", conta dr. César.

Mas os bons ventos não pararam de soprar. A importância e seriedade da nova proposta de assistência aos esportistas rendeu aos odontologistas desportivos um convite do secretário estadual de Esporte e Turismo de São Paulo, dr. Marcos Arbaitman, para que formassem o primeiro Centro de Odontologia Desportiva do Brasil no Ginásio Ibirapuera.

A criação da Associação Brasileira de Odontologia Desportiva (Abrodesp) foi a conseqüência natural do trabalho. Mas, apesar de criada e dirigida por dentistas, a associação tem um enfoque multidisciplinar. Participam hoje dela 54 profissionais, entre dentistas, médicos, nutricionistas, psicólogos e fonoaudiólogos. "Nosso objetivo é melhorar o rendimento do atleta a partir da melhora de sua saúde bucal", afirma o dr. César, presidente-fundador da Abrodesp.

Além de Éder Jofre e Zequinha Barbosa, os profissionais assistem a atletas como Maurren Maggi, campeã brasileira de salto triplo, George Arias, campeão brasileiro de Boxe e ainda Paulo Zorello e Francisco Veras: tri-campeão mundial e campeão pan-americano de kick-boxing. Recebem ainda atendimento os atletas da Seleção Olímpica de Boxe, de Handball Feminino e todos os atletas olímpicos do projeto Futuro do Ibirapuera.

As perspectivas

Por enquanto, é com o estudo e desenvolvimento de protetores bucais, úteis especialmente nos esportes de maior contato, que a Odontologia Desportiva vem se tornando conhecida. Mas o aumento da competitividade nos esportes certamente concorrerá para o seu reconhecimento como especialidade no futuro.

Grandes academias, clubes, federações e confederações esportivas são as áreas de atuação para esses novos profissionais, que devem atuar ainda na mediação de muitos esportes. "Em alguns casos, apenas o dentista pode dizer se o atleta tem ou não condições de continuar uma competição após um trauma", afirma o CD Carlos Ferrari, diretor científico da Abrodesp.

Para que a Odontologia Desportiva comece a se expandir, a Abrodesp pretende angariar profissionais e divulgar suas atividades e objetivos no meio odontológico, através de cursos, palestras e divulgação de trabalhos científicos. Outro objetivo da associação é tornar a Odontologia Desportiva matéria curricular nas faculdades. Com isso, a Abrodesp esperar gerar fontes de emprego para estes novos profissionais da área de Odontologia no meio esportivo.

Ainda não existem cursos de formação específicos de Odontologia Desportiva e são poucos os profissionais que dão palestras sobre o tema. No entanto, informações podem ser obtidas na Abrodesp, que também oferece suporte para todos os CROs do Brasil que tiverem interesse em montar uma Comissão de Odontologia Desportiva.

Comente:

Nenhum comentário