Odontologia desportiva




Odontologia desportiva


O pequeno Ronaldo Luiz Nazário de Lima, quando tinha 15 anos, quase deixou de ser o famoso Ronaldinho, eleito o melhor jogador do mundo por duas vezes (1996/97) e campeão da Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos, devido a um simples problema nos dentes. Quando começou a praticar o futebol, Ronaldo já batia um bolão, porém, era muito mole. O "projeto de atleta" não corria, era bastante desengonçado e possuía um condicionamento físico considerado muito ruim. O técnico do São Cristóvão chegou a pensar em cortá-lo da equipe. Mas para a sorte de Ronaldo e, é claro, para o mundo da bola, o time do subúrbio carioca possuía na comissão técnica um dentista com visão esportiva. Ao conhecer o garoto, logo ele pôde observar que o futuro craque da seleção tinha dois canais infecciosos, uma enorme falha ortodôntica, além de respirar pela boca.

Ao tratar o problema, o até então "preguiçoso" Ronaldinho passou a ter o mesmo desempenho físico dos outros jogadores e melhorou ainda mais o seu belo futebol. Saiba que um atleta que respira pela boca apresenta rendimento físico 21% menor, se comparado ao que respira pelo nariz. Já um canal aberto representa uma queda de 17% no condicionamento. Imagine então, quantos "Ronaldinhos" o esporte brasileiro pode estar perdendo, a cada ano, devido a problemas bucais? Quantas pessoas não devem estar conseguindo o seu melhor condicionamento físico devido a este problema?

Assim como o jogador, grande parte da população brasileira não leva a sério os cuidados com os dentes. Acreditam que aquela dorzinha de dente que tanto os atrapalha no dia a dia não seja grave. Mas mal sabem estas pessoas que uma cárie esquecida ou uma gengiva sangrando constantemente podem causar problemas no estômago, rins e intestino, levando a uma infecção e até à perda de um ou mais dentes, diminuindo assim, consideravelmente a resistência do organismo.

As pessoas tratam a odontologia como se fosse cosmética e não como a medicina. Elas vão a um dentista como vão a um cabeleireiro e manicure, por exemplo. O problema é que o cabelo só influi na estética, diferentemente de um dente, que pode levar até a morte. A boca é uma engrenagem e se você perde um dente ela não vai funcionar direito. Isso gera problemas de Articulação Temporomandibular (ATM), causando dificuldades de visão, dores de cabeça e nas costas.

Futuro

A Odontologia Desportiva ainda engatinha no Brasil. A primeira comissão destes dentistas foi criada oficialmente somente neste ano. Até então, existiam poucos profissionais com visão esportiva no país, embora até na Copa de 58, os jogadores da Seleção tenham feito exames odontológicos antes da competição.

Geralmente os atletas, profissionais e amadores, são tratados de forma convencional, o que é um grande erro, porque o tratamento de um esportista, sobretudo daquele que compete, deve ser diferente de uma pessoa comum.

Em uma pessoa normal, por exemplo, podemos fazer uma restauração de metal, por ser mais resistente. Já num atleta isto não é recomendável. Como os desportistas sofrem muitos impactos durante a prática esportiva, esta restauração pode acabar fraturando algum dente. Por isso é necessário o uso de resina, que por ser mais frágil, jamais causará este problema. Para um atleta é melhor quebrar a restauração do que um dente, pois ela é mais fácil de trocar.

A grande diferença da odontologia desportiva para a convencional é que o profissional especialista em esporte conhece a cabeça do atleta. Muitas pessoas apresentam dores nas costas e o médico trata como problema muscular, sendo que a causa é odontológica. Neste caso, a pessoa não melhora e ele e o médico não entendem o por quê da não recuperação. Quando uma pessoa tem algum problema na boca ela leva até duas vezes mais tempo para se recuperar, pois o sistema de defesa do organismo ficará dividido entre a lesão da boca e a física.

Principais problemas de uma boca mal cuidada

• Oclusão (encaixe dos dentes)

• Respiração bucal

• Infecções bucais (canais não tratados, problemas de gengiva e raízes residuais)

• Ausência dental (provoca dificuldades de mastigação e digestão)

• Se houver ausência de dentes em apenas um lado a pessoa vai aumentar o trabalho do outro, causando problemas de ATM.

• Conseqüência dos descuidados com a boca

• Perda de desempenho e, consequentemente, do rendimento

• Maior facilidade para ter lesões

• Dificuldade para recuperação de lesões (o sistema de defesa vai estar voltado, em

Grande parte dos problemas causados pela boca:

• Diminuição da capacidade aeróbica

• Estafa e fadiga precoce

• Não aproveitamento do alimento ingerido

A importância da Odontologia Desportiva no dia a dia

É necessária a avaliação de um cirurgião dentista com visão esportiva para o melhor rendimento do atleta. Nas academias brasileiras, 99,9% cometem este erro gravíssimo que afeta seus alunos, não solicitando avaliação odontológica ficando estes atletas com perda de rendimento físico. Na vida agitada que levamos, não tendo tempo para uma boa escovação, muitas vezes machucamos nossa gengiva, o que nos faz perder 10% do condicionamento físico. Muitas vezes, devido à má formação da arcada dentária, os dentes inferiores ficam mais inclinados para dentro do que o normal e acabamos respirando pela boca, o que nos faz perder 21% de rendimento. Estes e muitos outros problemas podem estar presentes na boca de muitos atletas amadores e simplesmente não sabem. De nada nos adianta termos um corpo bonito e "sarado" se não pudermos demonstrar nossa felicidade num simples e belo sorriso.

CRO-SC


Comente:

Nenhum comentário